Herpes → Veja como Prevenir Essa Doença com Alimentação Estratégica

Olá, aqui é o Dr. Rocha. No artigo de hoje irei falar sobre um vírus popularmente conhecido, mas que ainda desperta muitas dúvidas e curiosidades das pessoas. Estou me referindo ao Herpes.

 

O Que é

Herpes é uma infecção viral comum que se caracteriza pela aparição de pequenas bolhas principalmente ao redor dos lábios e/ou então dos genitais. Entretanto, ela pode se manifestar em qualquer outra parte do corpo.

Causas

A herpes é causada por vírus e o contágio se dá pelo contato direto entre as pessoas, mesmo que não exista uma lesão ativa. A infecção pode ocorrer também através da troca de objetos, algo mais raro. O período entre o contato e os sintomas iniciais dura entre 1 e 2 semanas.

Diferentes Tipos de Vírus

Embora pouca gente saiba, esta doença pode ser causada por dois diferentes tipos de vírus, são eles:

  • HSV-1 ou vírus herpes tipo 1;
  • HSV-2 ou vírus herpes tipo 2.

O HSV-1 é o mais comum dos vírus que causam a herpes. Ele é responsável pela infecção em aproximadamente 80% das pessoas que contraem a doença. Já o HSV-2 é um pouco mais raro. A porcentagem de pessoas infectadas com o segundo tipo do vírus é de aproximadamente 20%.

Falarei sobre esses dois tipos de vírus logo a seguir. Confiram.

HSV-1 ou vírus tipo 1

vírus tipo1O vírus herpes tipo 1 está normalmente associado a infecções dos lábios, boca e também da face. Como citei anteriormente esse é o tipo mais comum do vírus que pode causar a doença. O primeiro contato normalmente ocorre ainda durante a infância.

O HSV-1 Frequentemente causa lesões nos lábios, no interior da boca (aftas) e ainda são capazes de infectar os olhos causando conjuntivites virais. Em casos mais graves, esse vírus pode causar uma infecção no revestimento cerebral, causando a famosa meningoencefalite. A forma mais comum de transmissão se dá por meio de saliva infectada.

HSV-2 ou vírus tipo 2

vírus tipo 2 normalmente é transmitido através da prática sexual desprotegida. O HSV-2 normalmente provoca coceiras e também o surgimento de bolhas e feridas nos genitais.

No entanto, existe a possibilidade de pessoas serem infectadas pelo vírus e não apresentar quaisquer sintomas.

Outra informação sobre esses vírus é que pode haver infecção cruzada dos dois tipos de vírus, mas isso só ocorre se houver contato oral-genital desprotegido. Ou seja, é possível se contaminar com os dois tipos de vírus ao mesmo tempo.

Principais Sintomas

A herpes possui sintomas bastante característicos, o que facilita e agiliza o diagnóstico correto. Entre os principais sintomas dessa doença eu cito:

  • Presença de bolhas, aftas e feridas na boca, lábios, gengivas e órgãos genitais;
  • Inchaço de linfonodos, principalmente na região da virilha e do pescoço no momento inicial da infecção;
  • Febre alta, principalmente durante o primeiro episódio de infecção;
  • Sensação de formigamento nos lábios, gengivas e órgãos genitais antes das lesões aparecerem.

 

Fatores de Risco

A exemplo do que ocorre com muitas outras doenças, a Herpes também possui fatores que são considerados de risco para o seu desenvolvimento. Mostrarei a seguir quais são as principais situações que podem culminar na instalação da doença.

  • Idade – Crianças possuem um sistema imunológico ainda em formação, portanto são mais suscetíveis ao contágio do que os adultos que possuem um sistema imunológico mais resistente;
  • Ambiente higienizado – um ambiente limpo dificulta a sobrevivência do vírus que pode vir a infectar qualquer pessoa;
  • Contato com pessoa infectada;
  • Situações de estresse;
  • Exposições prolongadas ao sol;
  • Períodos de menstruação;
  • Traumas;
  • Ter relações sexuais sem nenhum tipo de proteção.

Diagnóstico

É bastante comum que os médicos consigam fechar um diagnóstico de herpes somente através de uma observação clínica, pois as feridas e lesões são bastante características das doenças. No entanto, alguns exames laboratoriais complementares também podem ser solicitados.

Entre os exames mais comuns utilizados para fechar o diagnóstico da doença estão: exames de sorologia HSV; testes de anticorpos fluorescente em material extraído de alguma lesão e cultura viral da lesão.

Tratamento

pomadas retroviraisDeterminadas ocorrências de herpes tendem a ser leves e não precisam de tratamento específico, apenas um tratamento tópico com pomadas retrovirais é o suficiente.

Porém, no caso de pessoas com surtos graves ou então prolongados, se faz necessário a utilização de medicamentos antivirais. Normalmente isso ocorre no primeiro episódio de infecção devido à baixa funcionalidade do sistema imunológico.

Pacientes que apresentam repetidos episódios de manifestação da doença podem ser submetidos a tratamentos contínuos com medicamentos antivirais com a finalidade de diminuir a frequência e também a gravidade das manifestações da doença.

Uma vez que a pessoa é infectada, o vírus herpes se espalha pelo organismo e chega às células nervosas, onde permanece pelo resto da vida do paciente. Portanto, a doença pode ressurgir de tempos em tempos causando sintomas ou surtos característicos.

As recorrências podem ser provocadas pela contração de uma gripe, excesso de exposição ao sol, febre, situações de estresse, doença aguda, utilização de medicamentos ou baixa funcionalidade do sistema imunológico.

Alimentação estratégica é grande aliada no combate à Herpes.

Como acabei de mostrar, quem é infectado pelos vírus Herpes pode sofrer com a manifestação da doença em qualquer momento. Por isso, manter o sistema imunológico em pleno funcionamento é algo muito importante.

Dessa forma, praticar uma alimentação estratégica é fundamental para controlar a doença e ter mais qualidade de vida.

Evitar o consumo exagerado de alimentos ricos em soja é o primeiro passo a ser tomado, uma vez que esses alimentos possuem a capacidade de causar alterações hormonais capazes de desregular todo o organismo e descompensar o funcionamento das defesas do corpo humano.

Vegetais verdes folhosos devem ser ingeridos em abundância, pois possuem vitaminas, como por exemplo: vitamina A, minerais e compostos antioxidantes que regulam uma série de funções do organismo.

Proteínas de alto valor biológico também devem ser consumidas, pois auxiliam na manutenção da massa muscular e fortalecimento do sistema imunológico. Por fim, as gorduras de qualidade auxiliam na secreção de uma série de hormônios que garantem o equilíbrio do organismo como um todo.

Como gosto de dizer, não tenho nenhuma dúvida de que os alimentos são tão ou mais poderosos do que muitos medicamentos, desde que saibamos usá-los de modo correto e adequado.

 

Eu vou ficando por aqui!

Me despeço desejando saúde, paz, felicidade e sorte.

Se você gostou do texto, deixe um comentário, compartilhe com seus amigos.

Forte abraço e até a próxima.

Dr. Rocha.

Posts Relacionados

Comentarios

  1. Claudia Fonseca

    É horrível, minha filha tem na boca.

    • suporte@drrocha.com.br

      🙁
      Equipe Dr. Rocha.

  2. Liliane

    Graças a Deus não tenho mas é bom entender sobre isso

    • suporte@drrocha.com.br

      😉
      Equipe Dr. Rocha.

  3. Denise

    ótima explicação, doutor!!

    • suporte@drrocha.com.br

      Que bom que gostou!
      Equipe Dr. Rocha.

  4. Rebeca

    Muito bem escrito, post muito organizado.

    • suporte@drrocha.com.br

      Obrigado, Rebeca!
      Equipe Dr. Rocha.

  5. Elisa

    Mudar minha alimentação me ajudou muito

    • suporte@drrocha.com.br

      Que bom, Elisa!
      Equipe Dr. Rocha.

  6. Miriam

    Dr Rocha a alimentação ajuda?

    • suporte@drrocha.com.br

      Com toda certeza!
      Equipe Dr. Rocha.

  7. Raquel

    Qual remedio devo usar?

    • suporte@drrocha.com.br

      Não recomendamos nenhum tipo de medicamento, procure um médico presencial!
      Equipe Dr. Rocha.

  8. Nadia

    Como consigo contato com o suporte?

  9. Lucia

    Preciso comprar o viver nature, aonde faço isso?

  10. Barbara

    Dr Rocha parabéns!! Qual sua página no facebook?

E ai gostou? Deixe aqui seu comentário